Projetos de Extensão da FCS

 

Título

Centro de Pesquisa e Simulação Olga Benario                            


Coordenador
  
Profa. ALINE REGINA ALVES MARTINS 
Vigência 21/09/2020 a 31/12/2021
Resumo

O Centro de Pesquisa e Simulação Olga Benario (CPSOB) da Universidade Federal de Goiás (UFG) se propõe a atuar em três frentes principais. Primeiramente, como uma instituição do curso de Relações Internacionais visando atender às demandas relacionadas ao corpo discente da graduação, como: necessidade de atividades práticas que demonstrem o aspecto diplomático e acadêmico da profissão. Em segundo lugar, o projeto busca organizar o Goiás Model United Nations (GOMUN), evento com abrangência nacional que promove a discussão da agenda internacional e seus impactos. Por fim, pretende divulgar o produto para estudantes do nível médio em escolas públicas de Goiânia, através de aulas e simulação a ser realizada pelo projeto GOMUN nas Escolas. Assim, os interesses do Centro estão ligados à produção acadêmica, promoção de espaço para práticas internacionais, tais como simulações de negociações em organismos internacionais, e a democratização do conhecimento. Além disso, o projeto promove a autonomia intelectual dos discentes, por meio da apresentação e discussão de temas relevantes para a sociedade, desenvolvendo a troca entre a comunidade e a academia.

Título

Caminhos de Esperança - Projeto de Formação Integral para Protagonismo Juvenil do Observatório Juventudes na Contemporaneidade e do CAJUEIRO


Coordenador
  
Prof. FLAVIO MUNHOZ SOFIATI
Vigência 15/04/2020 a 31/12/2030
Resumo
Caminhos de Esperança - Projeto de Formação Integral para Protagonismo Juvenil do Observatório Juventudes na Contemporaneidade e do CAJUEIRO é um espaço de formação (virtual e presencial) de lideranças comunitárias que acontece desde 2013, já envolveu 22 países é oferecido em Português e Espanhol.
Título

REDE CAMINHO DE PROTEÇÃO


Coordenador
  
Prof. FLAVIO MUNHOZ SOFIATI 
Vigência 06/06/2020 a 31/12/2022
Resumo
O projeto tem como proposta motivar, aproximar, capacitar, articular, fortalecer e multiplicar jovens e adultos preocupados com a condição juvenil no Brasil contemporâneo
Título

DIVAARTE - Diferenças, Visualidades, Antropologia e Arte


Coordenador
  
Prof. GLAUCO BATISTA FERREIRA 
Vigência 31/12/2020 a 31/12/2021
Resumo

A partir das discussões teóricas disciplinares da antropologia visual e do campo da cultura visual, este projeto de extensão se desdobra como uma continuidade do projeto de pesquisa "Relações entre marcadores sociais das diferenças a partir das políticas de representação nas artes, nas visualidades e em expressões audiovisuais", que visa desenvolver investigação antropológicas sobre produções de artistas visuais, performers e outros produtores culturais que abordem em seus trabalhos e iniciativas questões de gênero, de sexualidades, dos debates sobre as relações étnico/raciais e de outros marcadores sociais das diferenças. Para a realização da pesquisa e do projeto de extensão propomos adentrar o universo das representações construídas em contextos artísticos, das visualidades e de expressões audiovisuais em dimensões de análise antropológica e de relação etnográfica. Buscaremos analisar e discutir através de eventos imagens, obras, filmes, séries, vídeos clipes, videogames, expressões cênicas, performances e outras manifestações audiovisuais e artísticas, focando especialmente naquelas que articulam as experiências pessoais e a histórias de vida de seus/suas criadores/as, e visando problematizar as políticas de representação e os marcadores sociais das diferenças. O projeto pretende convidar estes/as criadores/as e pesquisadores/as para apresentarem suas produções em eventos que enfatizam a promoção de conhecimentos e a divulgação científica e artística (em dimensões on-line – na internet - e off-line, isto é, presencialmente). Pretende produzir uma série de videos idealizados para as plataformas de streaming na internet com entrevistas, a realização de um programa de conversações por meio sonoro para a internet (podcasts), bem como a realização, quando possível, de eventos presenciais com alguns/algumas destes/destas criadores/as e daquilo que produzem como fenômenos artísticos, das visualidades e de expressões audiovisuais, enfocando sempre as relações entre marcadores sociais da diferença, as visualidades e as artes a partir de um olhar antropológico. O projeto também prevê a realização de um grupo de estudos com a comunidade externa e com estudantes de graduação e da pós-graduação da UFG, bem como a criação de página nas redes sociais para difusão e divulgação das ações promovidas

Título

Veredas da igualdade: gênero e sexualidade em ações plurais do Sertão


Coordenador
  
IÊDA FIGUEIRÓ DE OLIVEIRA
Vigência 30/12/2020 a 31/12/2021
Resumo O presente projeto reúne ações de extensão novas e algumas já consolidadas pelo grupo desde sua criação em 2007. Este projeto está composto das seguintes ações, adiante detalhadas: 1) Sertão Vivo; 2) Abismos e Horizontes: Diálogos sobre o contemporâneo; 3) Ciclos de estudos do Ser-Tão; 4) Manutenção de página na web e de suas mídias digitais para divulgação efetiva das ações e da memória do grupo; 5) Estreitamento das conexões e trocas com movimentos sociais, órgãos governamentais e grupos da sociedade civil, tendo em vista as necessidades de promoção e diálogo sobre as diferenças na sociedade; 6) Contatos com instituições de ensino e mídia; 7) Realização de eventos acadêmicos variados (mesas redondas, palestras, simpósios, oficinas, rodas de conversas, entre outros). Em conjunto, as ações procuram promover uma cultura da paz interessada na superação das fobias à diversidade na sociedade, conectando saberes comunitários e acadêmicos em prol de uma sociedade pautada na justiça e equidade.
Título

Cátedra Sérgio Vieira de Mello


Coordenador
  
JOAO HENRIQUE RIBEIRO RORIZ
Vigência 17/11/2020 a 31/12/2027
Resumo

Trata-se da implementação da Cátedra Sérgio Vieira de Mello em parceria com o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR). O programa visa agregar ações de ensino, pesquisa e extensão que já vem sendo desenvolvidos na UFG, assim como apresentar novas iniciativas. Em sua essência, a Cátedra pretende avançar ações e ideias relativas à proteção de refugiados e migrantes em Goiás, bem como demais iniciativas de direitos humanos e proteção de minorias.

.

Título

VOZ DAS COMUNIDADES


Coordenador
  
Prof. MONICA THEREZA SOARES PECHINCHA 
Vigência 31/12/2020 a 31/12/2021
Resumo

Este projeto de extensão tem por objetivo constituir, a partir da articulação com os diferentes cursos que compõem a Faculdade de Ciências Sociais, espaços de escuta e diálogos com grupos e comunidades historicamente silenciados. Esta proposta está ancorada na perspectiva dos estudos pós-coloniais e descoloniais que indicam caminhos de rupturas com epistemologias hegemônicas e estimulam a emergência de novas formas de produção de saberes ao darem voz a povos historicamente silenciados. Assim sendo, serão realizadas rodas virtuais com membros das comunidades indígenas, quilombolas, LGBTQI, com grupos de refugiados e de periferias que ocorrerão por meio do canal da Faculdade de Ciências Sociais no Youtube. Estão previstas também realização de reuniões que terão como meta a construção partilhada das ações do projeto com representantes das comunidades, internos e externos à comunidade UFG. Esses momentos oportunizarão a escuta das demandas dessas comunidades, a serem consideradas na curricularização das ações de extensão da FCS/UFG e subsidiar implementação de políticas públicas que tenham como foco garantir direitos que são negados a determinados grupos por meio dos debates e discussões realizadas.

Título

FCS DIGITAL


Coordenador
  
PABLO FABIAO LISBOA
Vigência 31/12/2020 a 31/12/2021
Resumo O presente projeto de extensão visa a realização de interação entre a Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás e a Comunidade interna e externa a partir do usos dos recursos tecnológicos das redes sociais (Instagram, Facebook, Twitter) e das plataformas de transmissão como o Youtube e outras, para a viabilização de interações na internet onde a FCS se relacione com mais efetividade com a comunidade interna e externa em geral, como comunidades, instituições e setores organizados da sociedade civil, externos à UFG.
Título

FORMAÇÃO EM ETNOMÍDIA: OFICINAS MULTIMEIOS PARA COMUNICAÇÃO INDÍGENA


Coordenador
  
Prof. ALEXANDRE FERRAZ HERBETTA
Vigência 18/05/2021 a 31/12/2022
Resumo

O projeto busca a formação indígena em etnomídia e suas diversas linguagens.

Título

"ZINES" EDUCATIVOS


Coordenador
  
Prof. ALEXANDRE FERRAZ HERBETTA
Vigência 27/05/2021 a 31/12/2022
Resumo

O presente projeto busca formas coletivas de produzir material didático para escolas indígenas. sabe-se no campo em tela que uma de suas principais lacunas é o da existência de material contextualizado em epistemologias originárias, o que mais se tem é material produzido com base em uma matriz eurocêntrica de saber, o que configura um processo de violência epistêmica. No processo coletivo de produção busca-se gerar uma situação de interaprendizagem, na qual pessoas indígenas se apropriem de tecnologias digitais de diagramação, para futuros projetos, assim como pessoas não indígenas entendam outras formas de fazer pesquisa. Neste sentido, trata-se também de um projeto formativo de educaçaõ continuada.

Título

III Seminário Internacional Atlas Histórico da América: dos séculos XIX e XX


Coordenador
  
Prof. DIEGO TRINDADE DAVILA MAGALHAES  
Vigência 10/11/2021 a 12/11/2021
Resumo

“III Seminário Internacional Atlas Histórico da América”, um evento internacional que ocorrerá em modo virtual entre os dias 10 e 12 de novembro de 2021. A sua interdisciplinaridade abarca as diversas áreas das Humanidades, em torno de temas relativos aos séculos XIX e XX nas Américas. O público-alvo é de mestrandos, doutorandos, pesquisadores e professores com pesquisas sobre os temas da chamada. Além do evento acadêmico, prevê-se a terceira edição do Atlas Histórico das Américas, que conterá artigos apresentados, contendo cartografias e imagens. A sua organização está centrada nas instituições peruanas Universidad Nacional Mayor de San Marcos, a mais antiga das Américas, o Archivo General de la Nación e o Instituto Panamericano de Geografía e Historia. Para além de Lima (Peru), dezenas de instituições são co-organizadoras: Universidad de Milan (Itália), La Rochelle Université (França), Baylor University (Estados Unidos da América), Institut d'études avancées de Saint-Louis (Senegal), Universidade Federal de Goiás (Brasil), Universidad de Torino (Itália), Kazan Federal University (Rússia), Stockholm University (Suécia), Universidade Nacional Autônoma do México (México), George Mason University (Estados Unidos da América), e Tsinghua University (China). O Atlas Histórico da América vem integrando as diversas perspectivas sobre o continente. Partindo dos povos originários as suas raízes históricas em os povos originários e passando pelo período colonial, é hora de refletir sobre os séculos XIX e XX, tão importantes na configuração atual das Américas em sua diversidade e unidade. Desde uma olhada transdisciplinar, o projeto tem vindo a integrar diversas leituras: cartográfica, histórica, sociológica, econômica e política, entre outras. Este espaço virtual é um primeiro nó de diálogo para a comunidade de americanistas de dentro e de fora do meio acadêmico para fazer parte desta iniciativa que resultará em conhecimento, pesquisa e apreço pela América e seus povos.

Título

 Firenze - empresa júnior de Relações Internacionais 


Coordenador
  
Prof. Prof. DIEGO TRINDADE DAVILA MAGALHAES  
Vigência 01/03/2021 a 31/12/2021
Resumo O Programa de Apoio Profissional em Relações Internacionais (PAPRI) apoia as atividades para aplicar conhecimentos teóricos à prática de consultoria de Relações Internacionais por meio da empresa júnior Firenze. A Firenze atua como pessoa jurídica, seguindo regulamentação nacional sobre empresas juniores e prestando serviços de consultoria a empresas interessadas em internacionalização (geralmente, exportação). É autofinanciada sem fins lucrativos e investe recursos provenientes de consultorias na qualificação de pessoal e em despesas diretamente vinculadas à prestação do serviço.
Título

CURSO PROJETO DE VIDA PARA JOVENS


Coordenador
  
Prof. FLAVIO MUNHOZ SOFIATI
Vigência 22/04/2021 a 01/12/2021
Resumo História pessoal. Contexto familiar, social, político e econômico. Saúde e doença. Estudo e trabalho. Relações. Gratidão. Sonhos pessoais e coletivos. Princípios e valores. As grandes escolhas e os compromissos. Cuidar da vida e do planeta.
Título

  Curso de Metodologia de Rodas de Conversas


Coordenador
  
Prof. FLAVIO MUNHOZ SOFIATI
Vigência 22/04/2021 a 01/12/2021
Resumo Aperfeiçoamento em metodologias de participação popular. Capacitação para organização de rodas de conversas como recurso de atividades de formação com jovens e adultos/as que trabalham com a temática juvenil.
Título

Filmando com os Orixás


Coordenador
  
Prof. GABRIEL OMAR ALVAREZ
Vigência 02/02/2021 a 25/12/2021
Resumo Este projeto consiste na realização de oficinas de captação de áudio e imagem e edição de vídeo tendo como público alvo a população do terreiro Ilê Axé Opô Ajagunã. O objetivo destas oficinas é capacitar membros desta comunidade religiosa para que possam registrar e editar atividades que considerem pertinentes, tanto no campo religioso como nas atividades sociais que realiza a casa, (como oficinas de percussão e de dança). O objetivo deste trabalho de edição compartilhada é consolidar a presença das tradições de matriz africana no espaço público da internet a partir da criação de um canal no YouTube para disponibilizar o material produzido para o público em geral.
Título

IMAGENS E NARRATIVAS DE UMA CIDADE PANDÊMICA


Coordenador
  
Profa. IVANILDA APARECIDA ANDRADE JUNQUEIRA
Vigência 03/03/2021 a 31/12/2022
Resumo Esse projeto tem como principal objetivo, estimular o compartilhamento de fotografias produzidas pelos estudantes de museologia, por meio de sua publicação em uma página do Instagram a ser administrada pela coordenadora do projeto. Espera-se que, à medida que as atividades forem desenvolvidas, estabelecer um debate sobre o impacto causado pelo isolamento social a que os cidadãos foram submetidos durante a pandemia da COVID 19, desde março de 2020. Trata-se de uma proposta de reflexão sobre os efeitos e consequências de tal isolamento e até que ponto esse “novo normal” poderá alterar o modo como lidamos com o passado e, numa mesma proporção, o modo como lidamos com nossa perspectiva do que seria o futuro.
Título

GOYAZ 2001 + 20: patrimônio mundial, qual humanidade?


Coordenador
  
Profa. IZABELA MARIA TAMASO
Vigência 30/08/2021 a 20/12/2021
Resumo A data de 13 de dezembro de 2021 marca os 20 anos de conquista do título de Patrimônio Mundial, outorgado pela UNESCO à Cidade de Goiás, em cerimônia realizada na cidade de Helsinque, Finlândia. Este evento tem como propósito criar um espaço de reflexão e debates sobre os efeitos da patrimonialização da (e na) cidade, desde os tombamentos de imóveis isolados e do Conjunto Urbanístico do Largo do Chafariz na década de 50, ao tombamento da poligonal em 1978, até o reconhecimento pela UNESCO, em 2001, e rerratificação do tombamento, em 2004. Uma questão que norteia este evento é: quais os impactos de todos os reconhecimentos, em nível estadual, nacional e mundial para a cidade, em termos de melhorias das condições de vida de seus habitantes, aumento de emprego e renda, e no fluxo de pessoas e capitais? Mas além destes fatores de ordem estrutural, espera-se, sobretudo, observar como a categoria "patrimônio mundial" foi apropriada e ressignificada pelos moradores da cidade e como a partir deste processo de reflexividade alguns grupos iniciaram uma demanda por reconhecimento, identidade e pertencimento. Este evento visa possibilitar que o conhecimento gerado nas instituições de ensino locais e regionais (UFG Goiânia e Goiás, UEG e IFG) seja compartilhado com a (e na) Cidade de Goiás em diálogo com os moradores, as associações civis e organizações não governamentais. São dezenas de monografias, dissertações e teses, artigos científicos e livros, produzidos tanto pelas três instituições proponentes, quanto por instituições de ensino e pesquisa de outras regiões do Brasil. Além do mais, há um debate que se adensa e se complexifica na própria cidade, em vários grupos, que contribui sobremaneira para este processo de reflexividade sobre "para que servem os patrimônios"?
Título

Etnopolítica e Comunidades


Coordenador
  
Prof. JEAN TIAGO BAPTISTA
Vigência 04/01/2021 a 27/12/2024
Resumo O presente projeto vincula-se a organizações comunitárias, em especial aquelas atendidas por políticas públicas contemporâneas relacionadas ao direito à cultura e ao direito à memória, tal qual Pontos de Cultura, Pontos de Memória e demais iniciativas comunitárias em memória e museologia social desenvolvidas por comunidades vulneráveis negras, indígenas, quilombolas, periféricas e LGBT. Ao somar pesquisa, extensão universitária e ações afirmativas, desenvolvem-se pesquisas que problematizam a relação entre universidades, museus e instituições públicas vinculadas a comunidades, propondo uma conexão horizontal e promotora da democratização de espaços públicos. Busca, portanto, promover a formação de pesquisadorase pesquisadores provindos de comunidades, intelectuais orgânicos e/ou agentes culturais. Com o objetivo de promover a pesquisa e a extensão universitária a partir de abordagens próprias da Museologia Social, possui como metodologia ações participativas interessadas na potencialização da memória social válida para a promoção da superação da vulnerabilidade social.
Título

Politizar


Coordenador
  
Profa. LAIS FORTI THOMAZ  
Vigência 23/02/2021 a 31/01/2024
Resumo O Programa de Extensão Politizar é um projeto proposto pela Faculdade de Ciências Sociais da UFG e possui convênios com a Assembleia Legislativa do Estado de Goiás e com a Câmara Municipal de Goiânia. Logo, baseia-se em um processo decisório semelhante ao processo legislativo adotado nas duas casas legislativas. Visa ser um programa de ensino, pesquisa e formação política que se caracteriza pelo pluralismo ao abrir espaço para a discussão e confronto de projetos de leis congruentes com diferentes plataformas político-partidárias. Ao invés de fazer uso de métodos didáticos tradicionais, tais como cursos, seminários ou fóruns, o Projeto Politizar se propõe a utilizar uma metodologia diferente e inovadora. Por meio de simulação das atividades parlamentares, os participantes são envolvidos na construção direta de leis, bem como, no encaminhamento de suas propostas para apreciação dos colegas. Além disso, buscará através da criação de jogos, aplicativos, conteúdos nas redes sociais, revistas em quadrinhos e o podcast, aproximar a sociedade da política. Mais informações estão em nosso site: politizar.ufg.br
Título

5o Politizar UFG ALEGO


Coordenador
  
Profa. LAIS FORTI THOMAZ
Vigência 01/02/2021 a 31/01/2022
Resumo O Projeto Politizar é um projeto que visa envolver estudantes de dentro e de fora da UFG em simulações de sessões legislativas no âmbito estadual, na Assembleia Legislativa do Estado de Goiás. Dessa forma, visa ampliar os conhecimentos sobre as normas e processos legislativos, bem como aproximar os estudantes de um dos órgãos oficiais de representação política
Título

2o Politizar Goiânia


Coordenador
  
Profa. LAIS FORTI THOMAZ
Vigência 01/02/2021 a 31/01/2022
Resumo O Projeto Politizar é um projeto reconhecido da Unidade que visa envolver estudantes da UFG e escolas de ensino médio de Goiânia em simulações de sessões legislativas no âmbito municipal, na Câmara Municipal de Goiânia. Dessa forma, visa ampliar os conhecimentos sobre as normas e processos legislativos, bem como aproximar os estudantes de um dos órgãos oficiais de representação política.
Título

CICLO DE DEBATES DA LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS “Currículo, Ensino, Democracia e Resistência" 


Coordenador
  
Profa. MARCELA CARVALHO MARTINS AMARAL 
Vigência 05/03/2021 a 31/12/2021
Resumo

O curso de Licenciatura em Ciências Sociais da Faculdade de Ciências, criado em 2001, é um marco na longa trajetória da graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal de Goias, iniciada em 1964. O objetivo do curso, tal como explicitado em seu Projeto Político Pedagógico (2019, p. 07) é “a formação de profissionais com domínio dos conteúdos teóricos e metodológicos das Ciências Sociais, em suas diferentes áreas disciplinares, quais sejam Antropologia, Sociologia e Ciência Política e sua aplicação na formação de estudantes da Educação Básica”.
Desde o final da década de 1990 que o então Departamento de Ciências Sociais (DCS), da Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) da UFG, que na ocasião ofertava formação complementar em Licenciatura, para estudantes formados em Ciências Sociais com habilitação bacharelado, já demonstrava a importância do debate em torno da Sociologia no Ensino Médio. No ano de 1999, foi realizado o 1º Seminário Estadual de Sociologia no Ensino Médio, com várias edições nos anos subsequentes.
Os desafios frente à inclusão da Sociologia no currículo do Ensino Médio foram debatidos em diferentes projetos, atividades de extensão e pesquisa da FCS, em um contexto de abertura e consolidação da disciplina na escola. A experiência do Programa de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) é um exemplo que merece destaque no que se refere ao aperfeiçoamento da formação docente no curso de Licenciatura em Ciências Sociais, com atividades desenvolvidas em diferentes escolas da rede pública de ensino em Goiás e alcance de mais de uma centena de estudantes. A consolidação da interlocução entre a escola, a comunidade e a universidade é o ponto alto do PIBID, mais recentemente materializado também nas ações do Programa de Residência Pedagógica.

Contudo, a Reforma do Ensino Médio, a partir da Lei nº 13.415/2017, que alterou a Lei de Diretrizes e Bases da Educação e estabeleceu uma mudança estrutural no ensino médio, e a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) trazem impactos significativos para a permanência da Sociologia como disciplina obrigatória no currículo do Ensino Médio. A partir de uma estruturação orientada pelo que é denominado como “competências gerais da educação básica”, entre as quais são estabelecidas as “competências específicas das ciências humanas e sociais aplicadas”, foi incluída a Sociologia, a História, a Geografia e a Filosofia. Embora o Parecer CNE/CP nº 11/2009, indique que “não exclui necessariamente as disciplinas”, na prática, a não obrigatoriedade da disciplina no currículo vem ameaçando a continuidade das aulas de Sociologia nas escolas e trazendo desafios no que se refere à inserção no mercado de trabalho para egressas/os dos cursos de licenciatura em ciências sociais em todo o Brasil.

Conjuntamente a este cenário, a partir de 2015, com as diretrizes apontadas pela Resolução nº 2 MEC/CNE/CES, aos cursos de formação inicial de professores para a educação básica em nível superior - cursos de licenciatura - foram impostas 400 (quatrocentas) horas de carga horária de Prática como Componente Curricular, demandando alterações importantes no Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Ciências Sociais da FCS/UFG, como o aumento de um semestre para a integralização do curso. Além da extensão do tempo de permanência no curso, a referida mudança impacta na concepção filosófica, política e pedagógica do curso, dando um novo lugar para atividades de ensino, pesquisa e extensão a partir da prática.

Acrescente-se, a isto, o fato de que até o mês de dezembro de 2022, o curso de Licenciatura em Ciências Sociais passará pelo processo de Curricularização da Extensão, tal como foi determinado pela Resolução nº 7 MEC/CNE/CES, de 18 de dezembro de 2018. Conforme disposto na referida normativa “ as atividades de extensão devem compor, no mínimo, 10% (dez por cento) do total de carga horária curricular estudantil dos cursos de graduação, as quais deverão fazer parte da matriz curricular de cursos”.

Ultrapassando o alcance das mudanças relativas aos marcos legais, o cenário político atual se revela cada vez mais desafiador para o setor da educação. Desde o enfrentamento com setores conservadores, como os defensores da “escola sem partido” e perseguidores das temáticas de gênero, raça e diferenças na educação, até os cortes orçamentários e ações governamentais voltadas para o descrédito da ciência e das universidades públicas brasileiras, o momento atual é de avanço no sentido da privatização e desmonte da educação.

Diante do exposto, apresentamos o Ciclo de Debates da Licenciatura em Ciências Sociais que pretende consolidar-se como um evento mensal do curso, em que serão realizados encontros, tais como palestras, mesas, rodas de conversa e oficinas com a participação de pesquisadoras/es, estudantes, gestoras/es e especialistas em ensino, formação docente e educação.

Título

Diálogos Digitais - Digital Lab UFG


Coordenador
  
Prof. PABLO FABIAO LISBOA
Vigência 05/06/2021 a 11/12/2021
Resumo

O circuito de lives Diálogos Digitais é uma promoção do Digital Lab da Universidade Federal de Goiás, inaugurado em 15 de maio de 2021. Tem por objetivo discutir temáticas que estejam no escopo das relações entre museologia e as tecnologias digitais, a partir de palestras realizadas por profissionais e professores da UFG e de outras universidades do pais e do mundo. As lives são transmitidas nos canais de YouTube "UFG_Oficial" e "Faculdade de Ciências Sociais da UFG". Um conjunto de 13 lives compõem a programação dos Diálogos Digitais que tem um projeto de pesquisa relacionado, intitulado "Diálogos Digitais", que objetiva congregar todos os palestrantes em discussões que proporcionem a publicação de um livro ao final do circuito.

 

Título

Grupo de estudos sobre neoliberalismo


Coordenador
  
Profa. RAYANI MARIANO DOS SANTOS
Vigência 23/04/2021 a 30/04/2023
Resumo O grupo de estudos aqui proposto assume a relevância analítica da ideia de neoliberalismo e tem como objetivo a compreensão, a partir, principalmente, de fontes primárias, desse pensamento coletivo que se fez hegemônico no mundo contemporâneo. Assim, a ideia é ler e debater a produção intelectual dos autores neoliberais. O grupo atende à comunidade interna e externa à UFG, compondo-se, atualmente, de discentes, técnicos e docentes da UFG, UFMG, UnBe UFS, além de profissionais interessados na temática.
Título

Suficiência e desenvolvimento. Formas de habitar o interior rural de Portugal: ações para uma agricultura alternativa.


Coordenador
  
Prof. RICARDO LUIZ SAPIA DE CAMPOS
Vigência 01/08/2021 a 01/08/2026
Resumo Dentre os Concelhos do interior rural, Proença-a-Nova, distrito de Castelo Branco no centro sul de Portugal, região da Beira -Baixa ou Beira Interior, se destaca pela presença de florestas de pinhais e eucaliptos, fazendo deste município foco da atenção das políticas contra os fogos. Destaca-se também como sendo foco de atenção para o turismo rural, já que se trata de território que preserva belezas naturais e culturais intactas ou de transformação positiva, como as habitações em xisto, a culinária, revelando pratos com origem imemoráveis, e outros produtos característicos desta zona como a conhecida aguardente de medronho. Soma-se as referenciadas “praias fluviais que recebe visitantes de todo Portugal e Europa apresentando qualidade hidrográfica envolta por micro paisagens preservadas. O principal problema do território são os chamados incêndios florestais, com ocorrências anuais intercalares, entre os meses de junho e setembro, muitos dos quais devastaram mais de 50% do território como aquele de 2003. Não distante, organismos públicos em diferentes esferas têm proposto políticas públicas de combate aos fogos e incêndios florestais, buscando recuperar e preservar aspectos positivos do território. Apontado como dos principais problemas do Concelho, a dificuldade em propor ações efetivas num território desgastado pelos referidos incêndios florestais, radicalizados pelo fim da resinagem, pelo envelhecimento populacional e consequentemente pela baixa densidade demográfica e pela redução das atividades agrícolas que na região historicamente esteve mais ligada a economia de subsistência. Preocupada com a política de gestão das florestas, o Conselho de Proença-a-Nova tem proposta a reconversão das ditas áreas florestais em agrícolas. Em 2019 o lugar da “Mó”, pertencente ao União de freguesia de Alvito da Beira e Sobreira Formosa foi pioneira na implantação do projeto proposto a partir do regulamento municipal, visando a reconversão agrícola em zonas de faixa de gestão de combustível em torno dos aglomerados populacionais. Os proprietários foram incentivados a iniciar o processo de reconversão de forma comunitária, apontando para a prática de agricultura – ou pequena agricultura – que apontasse para novas possibilidades econômicas e experimentais, tendo sido pontuado desde o início o objetivo último – como resultado do projeto – em incentivar práticas de agricultura biológica. Participei desde o início do projeto, como pesquisador estando presente desde a primeira reunião realizada em novembro de 2018 no prédio da junta de freguesia no Alvito da Beira, até a sua definitiva implantação com a retirada da floresta na zona de combustão – cem metros ao redor do povoado – até a plantação de mudas cedidas pelo Município de Proença-a-Nova. Ocorre que a verificação que fazemos via pesquisa de campo é que o projeto encontra-se estagnado na plantação, e que, o uso corrente de agrotóxicos, nomeadamente o glifosato, por vezes conhecido pela patente de roundap, é uma prática comum e difundida entre as aldeias do território, e pontualmente aquelas envolvidas no projeto. Somam-se práticas orientadas por um modelo de desenvolvimento desconectadas com os objetivos centrais das políticas públicas para o território e levadas a cabo pela Câmara de Proença-a-Nova, no mais das vezes por falta de consciência efetiva sobre as transformações do território..” Desde 2020 está sendo implementada no concelho de Proença-a-Nova as AIGPs – Áreas Integradas de Gestão da Paisagem, proposta pela Secretaria de Estado e da Conservação da Natureza, da Floresta e do Ordenamento do Território, visando integração programática entre ordenamento e gestão da paisagem, economia e valorização local com gestão dos incêndios consoante o aumento das áreas de floresta. Todas estas ações de desenvolvimento, gestão e reordenamento do território indicam uma ocupação diferenciada ou nova ocupação humana deste mesmo território. Políticas de “desenvolvimento” que foquem os efeitos perversos do antigo modelo – no caso o principal deles são os fogos florestais- tributário de um modelo de exploração da floresta assentado na resinagem e na indústria de celulose, mas também aqueles envolvendo práticas agrícolas predatórias, imitadora de grandes modelos industriais. Todas as ações públicas em suas várias instâncias (nacional, municipal e regional), estruturadas em profundas transformações, indicam para a valorização de aspectos vitais do território. Dentre tais aspectos vitais está a alimentação, intimamente ligada à agricultura, qualidade da água e do solo, e a preocupação com a saúde pessoal e pública. Soma-se a este aspecto qualitativo o sabor ligado a culinária local e regional. Mesmo por que, a região em questão sempre desenvolveu um tipo de agricultura de subsistência ligada a vida de florestas e as antigas áreas de baldios. Fator este que indica para uma orientação de políticas públicas para o território, que integre como medida prioritária de gestão da floresta ações voltadas para uma agricultura (na qual se insere a própria floresta) sustentável, preocupada com a biodiversidade, valorizando aspectos vitais em que se insere o próprio “turismo de natureza” tão desenvolvida neste território. Integra esta visão e modo de orientar as políticas públicas ações que visem atrair e fixar pessoas neste território despovoado. Portanto este projeto de extensão tem como preocupação desenvolver ações que possam orientar a população local e grupo deles a práticas de uma agricultura mais sustentável, a começar pelo combate ao uso de agrotóxicos, voltando-se para práticas ecológicas conectadas com valores e perfil de consumo valorizado por estas novas populações que passam a habitar este território.
Título

Ateliês de pesquisa Caroá


Coordenador
  
Profa. SUZANE DE ALENCAR VIEIRA
Vigência 26/03/2021 a 31/12/2021
Resumo Ateliês de Pesquisa Caroá são comunicações orais que apresentam pesquisas em diferentes momentos de construção. Um espaço para encontros, trocas e colaboração. Os ateliês de pesquisa, assim como as reuniões mensais e quinzenais do núcleo, constituem atividades formativas com um roteiro de leituras, discussões em grupo e apresentação de pesquisas em andamento. As atividades desta proposta pretendem a continuação das ações do Núcleo Caroá (FCS/PPGAS), no âmbito da parcela de atividades abertas ao público externo. Em meio ao contexto da pandemia provocada pelo Covid-19, as atividades do Núcleo em 2021 continuarão através das plataformas virtuais.